Return to site

6 Curiosidades sobre Higienópolis

Como foi sua estruturação, os nomes que deram origem ao bairro e o projeto desenvolvido na Praça Villaboim que quer dar continuidade à essas histórias.

· Adocao de Pracas,villaboim,Cidadania

Conheça algumas curiosidades do bairro e saiba sobre a adoção da Praça Villaboim.

Inscreva-se na nossa newsletter

1. A eclosão

O bairro de Higienópolis foi um dos primeiros bairros pensados de São Paulo. Oriundo de um grande loteamento que pertencia aos empresários alemães Martinho Bouchard e Victor Nothmann o bairro surgiu da intenção de atrair a nova elite paulistana a partir de um planejamento de alto padrão.

Seu desenrolar até atingir o contexto de bairro central de alto padrão se deu principalmente pela sua história intimamente ligada às elites do café dos séculos passados. Com a popularização de outros bairros, principalmente o de Campos Elíseos houve uma migração das famílias nobres para o local, que antes de ser loteado por Bouchard e Nothmann ainda levava o nome de Altos de Santa Cecília.

Fonte: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/564x/be/aa/c6/beaac6b88d872996d5d89f7bd0c85d81.jpg

2. O nome do bairro

Desde seus primórdios contou com grandes casarões e palacetes que foram gerando identidade ao local. Primeiramente foi lançado em 1895 com o nome de Boulevard Bouchard, em homenagem à Martinho Bouchard. Mais tarde recebeu o nome de Higienópolis por ser o primeiro bairro da cidade a priorizar o saneamento básico e a higiene doméstica.

Na época um grande avanço por contar com infraestrutura inicial de água, esgoto, iluminação e serviços de transporte público por meio de bondes. Possuía também lotes de grandes dimensões, ruas largas e arborizadas, tudo para atender um público com condições de viabilizar o empreendimento - as elites do café.

Palacete Dona Veridiana. Fonte: http://f.i.uol.com.br/folha/ilustrissima/images/1126166.jpeg

3. As ruas

Diversas ruas que cortam esse pedaço da cidade foram nomeadas por conta de pessoas que viveram a história do bairro. As movimentadas Avenida Angélica, Rua Dona Veridiana e Rua Maria Antônia foram nomeadas em homenagem às mulheres da elite que habitaram o bairro nos seus primórdios. Maria Angélica de Sousa Queirós era filha do barão de Sousa Queirós; Maria Antônia da Silva Ramos, descendente do barão de Antonina; Veridiana da Silva Prado, filha do barão de Iguape. Apesar de se dedicarem à filantropia e à promoção das artes, como se esperava de damas da sociedade, conquistaram projeção rara para mulheres da São Paulo do século 19.

4. Personalidades

Entre os anos 30 e os 60, passaram a fazer parte do bairro nomes como: Vilanova Artigas, Rino Levy, Franz Heep, Jacques Pillon, Artacho Jurado, Victor Reif, Roberto Cerqueira César, entre outros arquitetos que constituem grande parte do grupo que realizou os projetos arquitetônicos locais, criando a identidade modernista ao bairro.

Edifício Lausanne, projeto de Adolph Franz Heep, que também projetou o edifício Italia.

Fonte:Prédios de São Paulo

Edifício Prudência, autoria do arquiteto Rino Levi, com colaboração de Roberto Cerqueira César e paisagismo de Burle Marx.

Fonte: Prédios de São Paulo.

Azulejos pintados por Burle Marx no Edifício Prudência, localizado na Avenida Higienópolis.

Fonte: Prédios de São Paulo.

Além dos diversos projetistas famosos, atores, cineastas, escritores e personalidades políticas contribuem com sua presença no bairro icônico. Adriane Galisteu, Jô Soares, Fernando Henrique Cardoso, Bete Coelho, Heródoto Barbeiro, Dani Calabresa, Cássio Scapin, Juca kfouri, Fernanda Yong e diversos outros nomes fazem parte da história de Higienópolis

5. Os locais de encontro

Nos primeiros tempos, o perfil do bairro era muito mais residencial, mas diversos pontos de lazer ocupam seu centro. Um de seus pontos mais conhecidos e visitados, a Praça Buenos Aires, foi projetada pelo arquiteto francês Buvard, em 1913 e sempre foi um local de passeio para os habitantes. Outro ponto icônico do bairro é a Igreja Santa Teresinha, inaugurada em março de 1928 na Rua Maranhão, local em que se encontra até hoje.

Há mais de um século surgiu na região o colégio Sion, criado por religiosas francesas devotadas a converter ao catolicismo os "povos de Israel". Missão fracassada, pois Higienópolis virou o bairro com a maior população judaica do Brasil (25% da comunidade de todo o Estado de São Paulo) e sede da maior concentração de sinagogas no país.

Colégio Sion. Fonte: Prédios de São Paulo.

Conhecida como o coração de Higienópolis a Praça Villaboim se consagrou como um ponto importante do bairro. Anteriormente era conhecida como Largo da Praça Piauí, e usada como campo de futebol pelos moradores da região. Só a partir da década de 1930 a Praça ganhou seu formato atual e foi inaugurada em homenagem à Manoel Villaboim, figura política marcante da época. O local foi tombado em 1995, dada sua contribuição histórica e interação com o contexto.

6. Amigos da Villaboim

A partir de toda essa memória, rodeada pelas curiosidades do bairro e da importância local, moradores de Higienópolis acionaram o Praças para implantar um sistema de manutenção frequente na Praça Villaboim, contribuindo para a preservação e continuidade da história que moldou o bairro. A plataforma de colaboração da Praça Villaboim foi uma iniciativa da sociedade em parceria com o Praças com o intuito de revitalizar a praça e fortalecer os laços de vizinhança e zelo público.

Atualmente, a praça está adotada pelos Amigos da Villaboim, grupo de moradores, comerciantes e empresários que viabilizam financeiramente os serviços básicos e constantes do local. Os Amigos da Villaboim se disponibilizaram a melhorar um pedaço do bairro que foi sendo esquecido ao longo dos anos. Agora a Praça Villaboim tem a chance de se recriar e gerar novo fluxo de atividades no bairro e uma maior qualidade de vida no seu entorno.

Deixe seu comentário:

All Posts
×

Almost done…

We just sent you an email. Please click the link in the email to confirm your subscription!

OKSubscriptions powered by Strikingly